A temporada de 2019 pode marcar um recorde negativo para o Palmeiras dentro da “Era Allianz Parque”. Faltando dez rodadas para o fim de um Brasileirão no qual o time está a dez pontos de desvantagem do líder Flamengo e, ao mesmo, cinco pontos na frente do terceiro colocado, Santos, e com 12 de diferença para o primeiro time fora do G-4, o Verdão está perto de fechar a primeira temporada com renda média abaixo da casa dos R$ 2 milhões por jogo em sua nova arena.

Considerando todos os 22 jogos realizados no Allianz Parque em 2019, o Palmeiras arrecadou até agora, em rendas brutas, um total de R$ 42.364.577,25. Isso dá uma média de R$ 1.925.662,60. A menor média até agora em uma temporada completa é a de 2017, quando o Verdão fez 29 jogos em seu estádio e arrecadou R$ 58.197.832,92, ou seja, R$ 2.006.821,82.

Há dois anos, portanto, o Palmeiras fechou apenas cerca de R$ 7 mil acima, mas ainda na casa dos R$ 2 mi em uma temporada no qual o time caiu fora da Libertadores mais cedo do que na atual (oitavas de final, contra o Barcelona-EQU), mas isso é algo que não afeta muito o comparativo, já que a eliminação nas quartas em 2019 foi no Pacaembu, que não entra nesta conta. Na Copa do Brasil, em ambos os anos a queda ocorreu nas quartas de final. No Paulista, idem: quedas nas semifinais. No Brasileirão, 2017 terminou com um vice-campeonato que agora parece ser o mesmo destino em 2019.

O recorde de arrecadação média por jogo foi registrado no ano passado. O Palmeiras foi campeão brasileiro, chegou até a semifinal na Copa do Brasil e na Libertadores, e ainda decidiu o Paulistão em casa em um clássico contra o Corinthians. Essa combinação de fatores fez a renda ficar em R$ 2.348.825,63 por partida, sendo 31 jogos disputados na temporada 2018 no Allianz Parque.

Em 2015, a primeira temporada completa, o Allianz Parque registrou uma renda média de R$ 2.091.645,67 em 36 partidas realizadas (a conta considera amistosos e também o duelo Audax x Palmeiras, com mando do time de Osasco, mas com ingressos vendidos para a torcida alviverde inclusive usando o sistema do Avanti, programa de sócio-torcedor do clube). O Verdão terminou campeão da Copa do Brasil em casa contra o Santos na grande final.

No ano seguinte, 2016, a renda média caiu um pouco mesmo em um ano de título brasileiro, o primeiro conquistado pelo clube não apenas na era dos pontos corridos, mas também em 22 anos. Foram 27 partidas, e R$ 2.078.292,86 por jogo. Aqui, no entanto, vale lembrar que o Palmeiras recebeu punições disciplinares por causa de confrontos de torcidas e foi obrigado a disputar algumas partidas do Brasileirão sem vender ingressos para o Gol Norte, o setor mais popular do estádio. Esse desfalque fez diferença, mas o time conseguiu se manter acima do patamar de R$ 2 milhões mesmo assim.

Em 2019, o Palmeiras só tem mais um clássico a realizar no Allianz Parque. Será amanhã, contra o São Paulo, mas a renda média da temporada toda só alcançaria R$ 2 milhões se a arrecadação total deste Choque-Rei for de, no mínimo, R$ 3.635.422,65. É praticamente impossível, tendo em vista que a maior renda deste ano foi de R$ 2.716.603,30. Aconteceu em fevereiro em um dérbi contra o Corinthians.

Depois disso, o Palmeiras encara o Ceará na arena no próximo sábado (2). O jogo seguinte como mandante seria uma boa chance, outro clássico com o Corinthians, mas a partida será realizada no Pacaembu. Restarão, na tabela, duelos contra Grêmio, Flamengo e Goiás, em datas, horários e locais a serem definidos ainda. A tendência, no entanto, não é de reversão de rota. O ano de 2019 deve mesmo ter a mais baixa renda média de jogos no Allianz Parque em sua ainda curta história.

LEIA MAIS
– Brasileirão: saiba quais são as torcidas mais “forçadas” a comprar PPV 
– Veja como era o primeiro site oficial do Palmeiras em 1996

SIGA AS NOSSAS REDES SOCIAIS:

Twitter: https://twitter.com/allansimon91

Facebook: https://www.facebook.com/jornalista.allansimon/