O terceiro post da série deste Blog feito a partir de levantamento com os 655 jogos transmitidos pela TV Globo de São Paulo no Brasileirão na era dos pontos corridos traz uma abordagem diferente. Depois de mostrar que o Palmeiras triplicou sua exposição na emissora após a reestruturação dos últimos anos, e que o Corinthians teve quase metade de seus jogos exibidos pelo canal desde 2003 na competição, chegou a hora de olhar para os times de fora do estado.

Embora a Globo, como qualquer outra emissora, faça suas escolhas de transmissões baseada em critérios de audiência pensando nos times paulistas para mostrar em São Paulo, é curioso notar quais são os times que mais apareceram “de carona” nessas exibições. Afinal, exposição é exposição. As marcas de material esportivo e os patrocinadores desses clubes tiveram exposição no maior mercado publicitário do país.

O Blog isolou os times de SP e montou um ranking paralelo apenas com as equipes de fora do estado. Flamengo e Fluminense dividiram o primeiro lugar. Cada um deles apareceu em 46 jogos na Globo de São Paulo entre 2003 e 2018. O terceiro colocado foi o Cruzeiro, com 45 partidas. Até aí, os três times contam com um fato óbvio: são os únicos que se juntam a São Paulo e Santos tendo feito todos os 628 duelos possíveis na Série A nesse período. Ou seja, os cinco times que não foram rebaixados neste período.

Mesmo assim, Flamengo, Fluminense e Cruzeiro possuem os melhores aproveitamentos do top 10 quando se leva em conta a quantidade de partidas realizadas no Brasileirão. Cada um dos cariocas citados apareceu na Globo SP em 7,32% dos jogos disputados. A Raposa mineira foi exibida para os paulistas em 7,17% das vezes em que entrou em campo.

Na sequência, vem a dupla gaúcha. Internacional e Grêmio ficaram próximos, com vantagem mínima colorada. O time do Beira-Rio teve 38 jogos exibidos pela Globo de São Paulo, enquanto a equipe tricolor teve 37.

O Atlético-MG, que deixou de disputar a Série A no primeiro ano do atual formato com 20 clubes (2006), teve 34 partidas exibidas na Globo SP. Ocupa a sexta posição no ranking absoluto, sem considerar os percentuais relativos ao número de jogos realizados. Da mesma forma, o Athletico Paranaense, com 32 partidas (ficou fora da Série A apenas em 2012), é o sétimo colocado.

Mas o Vasco, que aparece na oitava posição, com 31 jogos transmitidos, deixou de disputar a Série A em três oportunidades (2009, 2014 e 2016), fazendo apenas 514 partidas na era dos pontos corridos. Por isso, seu aproveitamento na Globo SP é até melhor do que os dois clubes acima dele no ranking absoluto (6,03%, contra 5,76 do Galo e 5,42% do Furacão).

Só não é o caso do Botafogo, que deixou de disputar a Série A em duas oportunidades (2003 e 2015), e teve 29 jogos exibidos para São Paulo. O aproveitamento de 5,33% é o pior do top 10, mesmo o time ficando na nona posição no total absoluto de jogos.

O Coritiba, que fecha esse ranking, teve 27 jogos transmitidos, disputou a Série B quatro vezes no mesmo período, tendo feito apenas 476 jogos na primeira divisão. Isso dá, portanto, aproveitamento de 5,67% em exibições na Globo para o público paulista, quase igual ao do rival rubro-negro da mesma cidade.

O Raio-X do Brasileirão na TV

Este levantamento foi feito pelo Blog do Allan Simon em parceria com o jornalista Rafael Alaby, do site Torcedores.com. Foram catalogadas 655 partidas transmitidas pela TV Globo no Brasileirão entre 2003 e 2018 em São Paulo, mercado publicitário de enorme peso nas definições de exposição e investimento em mídia. Não estão consideradas as exibições de jogos diferentes nas mesmas datas nas emissoras afiliadas da Globo no estado, pois são transmissões muito regionalizadas que recortam demais o público consumidor.

Para chegar a estes dados, foram consultados os arquivos dos jornais Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo, do site Papo de Bola, além de informações nos sites da CBF. A checagem dupla para confirmar datas de transmissões exclusivas para São Paulo, ou dias em que a região metropolitana viu outras competições enquanto a rede via o Brasileirão, foi feita também com pesquisas aos arquivos dos jornais O Globo (RJ) e Correio do Povo (RS). Também foram consultados vídeos disponíveis no YouTube que chancelaram as transmissões da Globo nas partidas catalogadas.

Este estudo não tem a intenção de comparar as audiências dos jogos do Brasileirão, pois lidamos com um período muito amplo, entre 2003 e 2018, com profundas mudanças no consumo e nos hábitos do povo brasileiro.